Já dizia Frida Khalo

07/05/2018


"Onde não puderes amar, não te demores".

Essa deveria ser uma regra básica de amor próprio, mas nem sempre é assim. A gente aprende que o amor não desiste, que a amizade verdadeira não abre mão e que nossos relacionamentos tem disso.

Somos educados a lidar com o desgaste emocional como se ele fosse uma coisa admirável, "o nosso esforço". Mas acontece que nem sempre a história é romântica.

Muito provavelmente a pessoa não quer mesmo o nosso amor e estamos ali nos doando. Culpa dela não valorizar o afeto atribuído, ou nossa por insistirmos em algo que não nos pertence?

A gente sabe que nem tudo vai dar certo sempre, o importante é sairmos sentindo menos culpa possível da situação - pelo menos pra mim. Às vezes deixar pra lá é a coisa mais saudável a fazer. Não é justo contigo jogar o teu amor fora.

Seja romance ou amizade, onde tu não puderes amar, não permaneça.
Comentários
1 Comentários

1 :

  1. Jornal Informal

    Nós descobrimos essas coisas com o passar dos tempos. Às vezes, na maioria delas, precisamos tomar umas "porradas" da vida para que possamos dar mais valor a quem somos. Também já tive problemas com amores e hoje vivo mais feliz por ter descoberto o amor próprio, algo que de nós não se pode tirar depois de nos pertencer.
    Ainda achamos que "bater", falar coisas ruins, e etc, é uma forma de demonstrar carinho, afeto e tudo aquilo que constitui a base do que seria o amor. Depois de um tempo que até mesmo o amor vai muito além daquilo que lhe agregamos significado, às vezes, na maioria delas, é muito mais do que podemos ver.

    Até mais!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e até a próxima!