Mania de ser feliz

03/10/2016




   Eu sempre fui uma pessoa muito positiva, eu não sei ao certo se eu fui ensinada a ser assim, ou se nasci assim – tanto faz né? –, o que importa é que eu realmente sou, principalmente com as minhas coisas. Mas nem sempre estamos assim, as pessoas, a idade, as obrigações e responsabilidades cobram demais da gente à medida em que o tempo vai passando e nós ficamos meio perdidos nesse movimento constante, pois ele infelizmente não espera.

   Nós quanto adultos temos o dever de saber lidar com todas as desventuras impostas, temos de saber pegar carona nas oportunidades que aparecem que vezes são realmente nossas, vezes sobram para nós. E quando a gente não sabe como fazer isso e algo dá errado, a gente reclama.  Afinal, é o mínimo que podemos fazer, ou muitas vezes, a única coisa que se resta a fazer (aparentemente).

   Aconteceu comigo também. Eu não fui uma pessoa que soube lidar com a mudança da adolescência pra vida adulta da melhor forma possível, na verdade, ela me assustou bastante. Ser adulto não é tão bom quanto parece – eu pensava. Daí então passei a ser negativa com muitas coisas na minha vida. A faculdade que eu “não gostava”, os colegas de trabalho que se indispuseram, o afastamento de algumas pessoas, não poder fazer o que eu realmente gosto de fazer, tudo isso foi me ensinando a reclamar. Logo, o pão que não tava quente, a sandália suja de terra, pouco leite no café, tudo que não estava como eu gostaria que estivesse me fazia soltar uns resmungos internos e sem perceber isso refletia fora de mim, na minha aparência inclusive. Sorte minha não ter precisado que ninguém me dissesse que isso era feio, eu mesma me dei conta quando em uma tarde resolvi retomar um dos meus projetos parados de 2016¹.

   Comecei a anotar todas as coisas felizes que eu vivi esse ano que a minha mente recordava. Havia tanta coisa, eu nunca imaginei! Percebi que eu não deveria estar triste como me sentia, pois tinha mais motivos para estar feliz do que para reclamar, de fato. Vi o quanto eu estava encarando as coisas de forma negativa e que isso estava me impedindo de ver as coisas boas escondidas por detrás.

   Isso é o que acontece com a gente quando somos negativos e deixamos de lado a possibilidade de encontrar uma coisa boa no meio de cada coisa na nossa vida. E me toquei sobre que mania chata gente tem de reclamar de tudo! Qualquer coisa hoje em dia tem sido motivo para resmungar sobre nós mesmos, sobre as pessoas, sobre o mundo, sobre a vida.


   Deixemos isso para traz, que possamos criar a mania de ser mais felizes, que a gente se acostume com a felicidade e que nunca estranhe quando as coisas não darem tão certo como a gente espera, as vezes algo não sai como nós queremos porque Deus sabe como fazer melhor.

__________________
¹Nesse ano me comprometi a fazer alguns projetos que eu considerei além de divertidos, uma forma de me ajudar a crescer ainda mais em coisas que eu gosto de fazer. Um deles se trata da minha vida pessoal, o Memory Jar. Nele eu escreveria todas as coisas que me fariam felizes durante o ano (coisas grandes e pequenas), para que no final do prazo eu lesse e pudesse visualizar quantas coisas legais aconteceram na minha vida. Acontece que eu não estava cumprindo com fidelidade, eu anotava uma vez ou outra e muitas alegrias minhas se perderam, pois eu as esqueci infelizmente.


Comentários
1 Comentários

1 comentários:

  1. Nossa que texto mais lindo, além de verdadeiro é super inspirador, sabe?
    Tava precisando de um pouco disso e ainda bem que encontrei, tentarei fazer esse projeto do Memory Jar pra 2017 que vai ser um ano super puxado, vou precisar mesmo estar sempre lembrando de que sou feliz sim!
    Beijão

    http://querosermiranda.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e até a próxima!