Minha fonte de sabedoria

29/07/2015


Eu já falei aqui sobre a prática do apego a coisas que nos deixam bem, sendo elas abstratas ou não. Eu sempre fiz isso de guardar as coisas como um mantra, porque aquilo me toca de tal forma, que muda minha perspectiva, melhora meu humor e até os meus problemas. É como se a minha alma se apaziguasse e entrasse em contato constante com a minha mente e tudo se tornasse belo, claro e fácil. 
 
Música, leitura, vídeo e palavras soltas, tudo isso pode não fazer sentido para algumas pessoas, mas é totalmente verdadeiro para mim. É a minha sessão particular de “yoga” e quando eu consigo absorver é como se eu entrasse num estágio contemplativo. Onde eu paro, reflito e então meu coração se enche de nobreza, bondade, ternura e isso me faz completa. 

Acabou, enfim, se tornando um manual para estar sempre bem, um guia. Por isso eu guardo, levo para onde for e resolvi agora deixar aqui. Eu sei que em algum lugar isso vai servir para alguém também, então sinta-se à vontade para tomar da minha inspiração pra si. 


O Menestrel, obra de Willian Shakespeare 
Esse foi o começo de tudo. Aos 11 anos conheci essa obra e desde então minha vida nunca mais foi a mesma. Na época foi a solução para todos os meus problemas porque eu não só acreditei piamente, como pratiquei cada palavra. Tenho até hoje a folha que foi me dada sem muita importância para ler e pretendo guardar até o fim dos meus dias. 

Princípios Cristãos 


Sou católica por nascença. Sempre participei da igreja de ir à missa todos os domingos e cumprir os sacramentos cristãos, na época tudo por costume. Nunca fui de ler a Bíblia, confesso, mas conheço o meu Deus porque ele já se fez presente comigo. Aos 14 anos eu já dominava esse estágio de contemplação, que pra quem não sabe é o ato de “[...] conhecimento de Deus e das realidades divinas não por vias e métodos discursivos e sim pela vivência”. E eu podia sentir a presença Dele ao meu redor. Eu realmente conseguia entender o propósito das coisas na minha vida e o que Deus esperava de mim. Era mágico. Desde então passei a conhecer pequenas passagens da Bíblia, a prestar mais atenção na homilia e tomei grande parte da palavra do Senhor como princípio pessoal.

O Pequeno Príncipe, obra de Antoine De Saint-Exupery


Quem me conhece mesmo, sabe que eu sou apaixonada pelo pequeno príncipe e não é à toa. Não é porque ele é bonitinho e nem só por causa da Raposa. Este livro é capaz de ensinar coisas que eu nunca tinha visto nem um adulto praticar. Foi este livro que fez eu me apaixonar por leitura. Eu me encontrei nele, me senti abraçada, porque na época eu estava muito confusa sobre estar me tornando adulta e não me sentir como uma. Esse livro encaixou cada pecinha solta do meu quebra-cabeças.

Morada, banda Forfun  
 

Forfun não é a minha banda favorita, mas a música que eu mais gosto no mundo é deles. Foi a canção mais nobre que eu já ouvi na vida, cada estrofe é uma fonte transmite positividade e equilíbrio e paz de espírito. Não consigo nem explicar o tamanho da leveza que eu sinto sempre que eu ouço essa canção. Se eu pudesse tatuaria ela inteira!  

Eu tenho na mente uma série de palavras aleatórias que só de pensar nelas já me sinto melhor, que sempre se encaixam em algum momento na minha vida e já me livraram de muita atitude errada. Não vou pôr aqui agora, mas quem me acompanha uma hora ou outra vai ter oportunidade de ver. 

Para ler O Menestrel, clique aqui 
Para ler O Pequeno Príncipe em PDF com aquarelas do autor, clique aqui 
Para saber mais sobre contemplação, clique aqui 


  Um Beijo!

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Amo ler a bíblia, tem versículos incríveis que nos ajudam e nos inspiram.

    Beijos

    www.carladominic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa, lembro quando dormir com a minha bíblia do lado, mas desde que me mudei deixei ela no meu quarto da minha família e não comprei uma nova!!

    Beijoos, Love is Colorful

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e até a próxima!