Válvula de escape

28/04/2015



“Era um dia nublado, eu não aguentava mais ficar naquele escritório, me sentia sufocada e incomodada com cada ligação, cada chamado e cada cumprimento que as pessoas direcionavam a mim.
Custaria o meu emprego, mas dani-se, preciso sair daqui! Saí da empresa e fiquei na pracinha perto do meu trabalho espairecendo, sentindo o frio de Dezembro enquanto pensava na minha vida e no que fazer com ela. Não foi suficiente.

Voltei para a empresa, fui até o estacionamento, peguei o carro e saí. Dirigi por boa parte da cidade até tomar a decisão de ir te ver. Com vergonha eu bati no seu portão, meus olhos já transbordavam, mas eu não tinha mais ninguém. Sua reação quando abriu a porta e me viu aquele jeito, eu nunca vou esquecer. No mesmo instante você desceu, preocupado e complacente, segurou meu rosto e beijou minha bochecha. Me deu um abraço afável, encostou minha cabeça no seu peito e me fez sentir segura. Eu te abracei e deixei você me levar pra dentro.

Sentamos no seu sofá de frente um pro outro, eu te contei dos meus problemas, você ouviu tudo, disse que as coisas vão melhorar, que eu não devo seguir impulsos, que vontades são passageiras e que fé e o que devemos ter. Que você estaria do meu lado, como sempre esteve, para tudo e para nada e que de lá não sairia. Que apesar das circunstâncias, você estava feliz por eu estar ali naquele momento, que não se importava em me ouvir, mas que não aguentava só me olhar.

Então me beijou, com delicadeza foi me tocando e amando. Eu nunca me senti assim com ninguém, nem me imagino ficar sem isso. Eu cedi, fiquei por lá mesmo, passamos o resto do dia e a noite juntos. Os problemas? Eles diminuem quando estou com você, ou eu cresço. Me sinto forte, me sinto mulher.

Amanheceu e eu levantei antes de você, apesar de você dizer que me acha a garota mais linda do mundo, por precaução passei um pó no rosto. Voltei pra cama e fiquei te olhando dormir. Quem diria, nós dois. Eu sempre desencanada e você tão insistente, se encantou pelo que viu e se entregou quando conheceu.  Nosso amor é aconchegante, nossa intimidade infinita. Sinceros um ao outro, a ponto de sem pestanejar você me dizer o que fazer. Mas nós dois somos assim, válvulas de escape e quando o mundo se perder de minhas mãos, você estará lá esperando por mim, pra me lembrar quem realmente eu sou.”

Texto inspirado na canção “Mulher”, do Projota. 
Imagens retiradas aleatóriamente do site Tumblr


p.s: esse é o primeiro que escrevo inspirada em alguma música, então me digam se gostaram da idéia e se querem mais. Por favor, sejam bonzinhos. Hihi. ♥
 

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

  1. Caramba! Ficou muito bom, na verdade quando eu comecei a ler pensei na música, depois quando vi que o texto era inspirado nela vi que fazia todo sentido.

    Desajustada — Blog

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e até a próxima!