Desculpe o transtorno, preciso falar de mim mesma

23/11/16

Foto: Reprodução Google
“Eu tenho muitas coisas maravilhosas, tantas que não me deixam reclamar da vida. Porém, tenho sentido a falta de alguma coisa, não nas pessoas, não no mundo, em mim.
Tem alguma coisa em mim que não me permite desfrutar plenamente disso, do que é bom, do que está a minha volta. Eu reconheço a beleza da vida, mas já não sinto ela seguindo em mim.
Eu não sou essa pessoa que eu tenho sido e nem sei porque tendo tido tantos repentes, se tolerância costumava ser uma das coisas mais abundantes em mim. Eu tenho magoado muitas pessoas, eu só queria não ter que precisar dizer que não é de propósito, que não sou eu de fato. Mas me parece insensato dar uma justificativa desse nível. Só que ao mesmo tempo, parece injusto esse querer que as pessoas adivinhem que tem algo de errado, de muito errado acontecendo por aqui.
Eu sinto saudade de mim às vezes, saudade da minha companhia, parece que eu estou apagando. Acho que na verdade eu tô meio cansada de fingir que isso não tá acontecendo, eu preciso mesmo é pedir licença às pessoas e falar disso.
Outras coisas parecidas já aconteceram outras vezes, em outros momentos, em outras fases da minha vida, mas eu sempre consegui fortemente superá-las sozinha, sem contar pra ninguém, só que agora parece maior, parece mais forte do que a minha vontade, do que a minha persistência, me mata no cansaço às vezes e eu me entrego. Penso nisso a todo momento se deixar, me invade roubando a atenção de todas as minhas coisas e aos poucos sinto cada vez menos vontade de tudo. Eu gosto de dias cheios, não longos e ultimamente os dias têm sido longos e vazios. Ainda estou buscando respostas pra aprender a lidar com isso, mas parece tudo tão escorregadio.

Gostaria de ajuda, mas não sei pedir socorro”. 

Coisas para fazer quando não se tem nada para fazer

21/11/16


Com o tempo descobri que ficar muito tempo “de boa”, não é saudável. Não se torna saudável quando a gente tem a sensação de que não está mais vivendo, quando sente a monotonia sempre presente, então ela deixa de ser sentida nos momentos de bobeira e passa a ser nossa companheira até quando se trata de nossas responsabilidades. Tudo passa a ser meio “chatinho”, meio mais ou menos, meio sem vontade.

Protelar vicia, sabia? E se você se sente assim como eu me sentia, vou te dar as respostas que eu encontrei pra fazer dessas horinhas algo até que produtivo.  

Monte playlists
Eu amo conhecer músicas novas! Houve um período que eu ouvia uma música diferente todos os dias, por isso, meu spotify andava todo bagunçado. Morro de vontade de organizar todas as playlists e as listas de artistas, ainda tô na metade desse processo, elas vivem se atualizando, mas é muito legal a sensação de entrar e estar lá uma playlist prontinha para cada momento e só curtir.

Customize algo
É muito legal a gente reformular peças de roupas que já não gostamos tanto, dar uma carinha diferente a algum objeto, mudar a decoração, ou fazer um acessório novinho e exclusivo pra você. Eu sempre me sentia muito melhor nas roupas e coisas que eu customizava e fazia do que as que eu comprava. Eu era simplesmente fascinada por customização quando mais nova e ultimamente tenho recuperado alguns bons e velhos hábitos como este.

Pesquise na internet sobre algum assunto diferente
Sabe aquela curiosidade sobre algo que paira na sua cabeça, mas que você não faz tanta questão de saber sobre? Pois é dela que estou falando. Eu, por exemplo, sempre pesquiso coisas relacionadas à gramática e a política, que são assuntos que me interessam muito. No entanto, foi fazendo essas pesquisas aleatórias na internet que eu descobri que “Grufra”, é uma palavra de origem árabe que significa a quantidade de água que conseguimos segurar com as mãos! J

Dê uma volta pela cidade sozinha(o)
Ultimamente tenho me desafiado a fazer coisas que não costumo fazer, sair sozinha é uma delas e as poucas vezes que saí sozinha pra dar uma volta pela cidade e espairecer foi de fato revigorante. Por mais contraditório que pareça, eu não presto muita atenção nas pessoas, eu na verdade, saio pra aproveitar o ar livre e conseguir relaxar as ideias na minha mente. Eu tive muita inspiração e muitas respostas fazendo isso. É uma experiência que parece simples, mas quando não se está acostumada, se torna muito diferente.


Essas são coisas que na nossa vida não temos obrigatoriedade nem uma de fazer, mas particularmente, aumenta minha qualidade de vida. Acaba que até nosso tempo livre se torna produtivo e interessante, essas pequenas coisinhas vão acrescentando muito pra gente com o decorrer do tempo e você vai poder perceber que vai ter muito mais a compartilhar com as pessoas ao seu redor fazendo desse tempo uma coisa que te acrescenta. Espero que tenham curtido e se tiverem mais dicas do que fazer nesses momentos, por favor, deixem nos comentários!

Beijo ♥ 

5 coisas

18/11/16

Foto: favim.com

Eu sou uma pessoa que gasta muito tempo pensando na vida, nas pessoas e em suas facetas. Gosto de fazer isso e percebo que a vida seria muito fácil se tomássemos algumas pequenas atitudes diferentes no nosso dia a dia e nos desprendêssemos um pouco mais da maneira nublada que a gente tem de lidar com algumas coisas. Hoje vou contar pra vocês cinco coisas que eu faço para viver a vida com um pouquinho mais de leveza e ser mais feliz. 


1.    Divirta-se consigo
Muitas vezes nos sentimos sozinhos, acreditamos que estaremos bem se estivermos rodeados de pessoas, isso é importante, isso é muito bom. Mas nada se compara ao prazer que sentimos quando aprendemos a desfrutar da nossa própria companhia. É importante que possamos aproveitar o tempo que estivermos só para nos dar atenção, as coisas externas já tomam demais nosso tempo, nossa dedicação, e curtir e se amar são coisas essenciais para fazermos por nós.


2.  Seja grato
Tenha gratidão por tudo em sua vida, até mesmo pelos problemas e provações pelos quais passa diariamente. Tudo é graça. Tem gente que acredita que não, mas se você tentar, vai perceber que a vida se torna muito mais fácil de ser vivida se soubermos enxerga-la com um pouco mais de leveza e paciência, e o melhor caminho para fazer isso é tendo gratidão pelas coisas. “Não tenho o celular que eu gostaria”, “Graças a Deus eu tenho um celular, tem gente que precisa e não tem nem um”. Tudo depende da perspectiva que você irá direcionar o seu olhar.


3.  Sua vida é legal também!
A gente sempre acha que a grama do vizinho é mais verde em algum aspecto. Que o trabalho dele é mais fácil, que ele é mais bem remunerado, que tem mais tempo, mais recursos e tantos outros achismos que a gente tem sobre uma vida na qual não vivemos. Mas acontece que a nossa grama pode ser mais verde aos olhos dos outros de alguma forma também. A vida de ninguém é perfeita, mas ela pode ser maravilhosa se soubermos explorar o que há de melhor nela. Então, não perca tempo comparando o que há na vida de outra pessoa e falta na sua, olhe para ela e dedique-se a vive-la com a plenitude que ela merece, cada fase, cada ciclo. Sua vida é muito valiosa!


4.  Não reclame tanto
Essa é uma das melhores coisas que podemos fazer. Sempre vejo no twitter gente reclamando por coisas que na maioria das vezes não faz sentido nem um. Parece que nos dias de hoje, principalmente na internet reclamar virou a nova tendência, as pessoas se identificam, compartilham e aí atinge mais e mais pessoas. Começa pela chuva que te impediu de chegar no horário do compromisso e termina na poeira que sujou o seu sapato novo. Reclamar vicia e hoje em dia reclamamos por tantas coisas desnecessárias.... “Se você tem um quarto pra arrumar, faça com amor, afinal que bom que você tem um quarto!” Entende? Esse é o pensamento. Como eu havia dito, é importante sermos gratos pelo que já temos e se sentirmos a necessidade de ser melhor, podemos dedicar o tempo que gastamos reclamando buscamos respostas sobre como podemos melhorar.


5.  Não se preocupe com o que vão achar de você
Sabe qual a parte boa de dar a cara pra bater e ser você mesmo(a)? É que só permanecem ao seu lado as pessoas verdadeiras. Pessoas que tem a ver com você, que gostam de ti assim, desse jeitinho. Então, se for pra ser honestamente você, não se preocupe com a opinião alheia, você se conhece melhor do que todo mundo, né nom?

Espero que tenha gostado ❤

Eu não sou essa mulher

05/11/16

Foto: rebloggy.com


Eu não sou essa mulher da música mais tocada. Eu não sou cem por cento forte, eu não sou dura na queda, eu não abalo as estruturas ao entrar no restaurante. Eu não roubo olhares dos homens, nem admirações das outras mulheres. O meu vestido não chama atenção, a minha roupa nem sempre delineia meu corpo. O meu batom nem sempre é vermelho e o meu olhar, dificilmente é marcante.
Eu sou aquela ali, que tem a conversa estranha, que fala de coisas profundas, que usa a saia rodada, a saia justa, calça jeans e short com tenis. Que de rosto é completamente comum, os olhos não são claros e infinitos, nem escuros e profundos, são só comuns, tal qual o nariz, o maxilar, a bochecha sem covinhas, tudo muito normal, tudo muito comum.
Eu não faço o tipo confiança acima de tudo, solteira sim sozinha nunca, eu sei que você me quer. Eu não faço questão de tentar mostrar que eu sou espetacular, de ensinar ninguém, de colecionar corações partidos e de disputar coisas com outras mulheres.
Eu me dou o direito de ser inteiramente normal, de ser eu mesma, vezes firme, vezes insegura. Transparente, sem joguinhos. Que não se maquia muito porque não sabe, acha bonito, mas também não faz questão. Que lê e que conversa sobre o que lê. Que curte o lirismo das situações, que observa de fora como é, aparentemente, vazia a vida de algumas pessoas, mas se questiona sobre o que habita dentro delas ali mesmo durante a festa. Aquela que é indiferente com o padrão da maioria, mas que não faz questão de ser a diferentona.
Eu sou daquelas que não é tempestade, mas também não é calmaria. Que não tá nem vendo para o que causa em você. E que apesar da silhueta, não faz questão da sensualidade. Que não é a rainha sedução, mas também não é princesa da Disney. Que não faz questão de uma reputação, que mal ou bem mas falem dela, ela só quer viver a própria vida, tranquila e devaneada às vezes.
Eu não faço questão de ser lembrada, e não to afim de ser exemplo, nem modelo, nem espelho para ninguém. Só quero respeitar os meus limites e deixar claro que tudo bem pra mim não ser a garota daquela canção que todas insistem em postar nas suas redes sociais para tentar demonstrar que elas são todas – igualmente – “excepcionais”. Eu sou só eu mesma, o que pra mim já tá de bom tamanho.